Polippo

Brasileira,

Graduada em “Produção Multimídia” pela Universidade Santa Cecília em Santos/SP (BRA), com especialização em “Fotografia: Práxis e Discurso Fotográfico” pela Universidade Estadual de Londrina (BRA), e passagens pelos programas de mestrado em “Comunicação” da Universidade Estadual de Londrina (BRA), e “Multimédia” na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (PT).

Polippo faz demarcações inquietas e, aos poucos se apropria de todos suportes midiáticos viventes e “pré-viventes” para tentar canalizar sua fruição artística mundana. Logo, o repertório dessa campo-grandense que rodou muito pelo Brasil, morando em mais cidades do que tem idade, tentar dialogar e ampliar

os formatos para que se mesclam nas mãos dela.

Editoriais de moda elaborados, textos poéticos ávidos, intervenções urbanas, eventos artísticos e culturais, objetos midiáticos e etc, são elaborados com afinco por esta persona. Vale ressaltar, que a fotografia e o cinema tem maior peso entre os desdobramentos midiáticos dessa investigadora da “CIBERCULTURA”, no que diz respeito “A RELAÇÃO ENTRE IMAGEM E PERCEPÇÃO”.

Atualmente, a fotógrafa se diverte pelo mundo, de modo ousado, independente e absolutamente moderno pelo simples prazer de observar e absorver experiências por onde passa. Ou seja, és de um olhar incapaz de separar a estética das cores, as formas, as luzes e as disposições da sua vida e obras, que por sua vez, vêm a refletir as doses de complexidade presente na personalidade desta artífice - uma pessoa de inúmeras configurações - para o seu próprio ser-trabalho.

Deste modo, Polippo apesar dos "apenas", mas muito bem vividos 29 anos, conta com publicações e prêmios importantes, além de diversas publicações em jornais, revistas e participações em festivais. À destacar os 3 (três) anos consecutivos em 2º lugar e 3º na V, VI, VII Mostra de Video Poema do Londrix - Festival Literário de Londrina com as poesias visuais "Arpoador", "(R)imãs" e "s o n h o s". E participação na produção do curta-metragem “Cante Lá que Eu Canto Cá”, premiado como “Melhor Direção” no 8º Curta Santos - Festival de Cinema de Curtas Metragens e “Dívida”, selecionado pela “Mostra Olhar Caiçara” na 6ª edição deste mesmo festival.

No ano de 2015, esteve nas páginas das principais revistas e jornais do Brasil Revista Zupi, Ideia Fixa e Jornal A Gazeta, pelo destaque no projecto GRAVIDADE, uma narrativa fotográfica que utilizava sobreposição, efeitos 3D e animações gráficas numa aglutinação visual dos fragmentos do universo. Polippo também é colunista colaboradora na Obvious Magazine e Ateliê Fotografia, onde reflete sob questão a cerca da imagem e da tecnologia no cotidiano.